A figura de Amílcar Cabral nunca foi esquecida pelo povo da Martinica, no dia 11 de Julho, foi homenageado no país natal do poeta da negritude, Aimé Cesaire.
No quadro da 39ª edição do Festival Cultural de Fort-de-France, Cabo Verde teve uma participação especial, que contou a participação do grupo Ferro Gaita, Tutu Lima, Fundação Amílcar Cabral, entre outros.
Recorde-se que Amílcar Cabral foi contemporâneo de Aimé Cesaire, Leópold Sédar Senghor e Leon Damas, figuras da Negritude: movimento literário e politico que antecede no tempo as lutas de libertação dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Por aquilo que representa, Amílcar Cabral era bastante apreciado e estimado pelos intelectuais da Negritude.
Estiveram presentes Ana Maria Cabral, viúva do homenageado, e Carlos Reis, em representação da Fundação Amílcar Cabral.
“O papel da cultura na luta de libertação nacional no quadro do pensamento de Amílcar Cabral” foi o tema abordado na palestra apresentado por Carlos Reis. O orador fez também referência à importância do papel de Amílcar Cabral na luta pela libertação de África, em particular da Guiné-Bissau e Cabo Verde.
Seguem os recortes de imprensa sobre a participação da FAC nesta memorável homenagem.
Leonor Rodrigues